Espíritos – A Morte está ao Seu Lado [2004]

Shutter poster

Vou ignorar que se passou mais de um ano do meu último post e fingir que só demorei pouco mais de uma semana, ok? Vejam, faz sentido: meu último texto foi dia 08 de fevereiro… O ano é só um detalhe, vai. Agora que todos estão de acordo com isso (todos estão, não é verdade?), vamos ao que interessa.

Nunca fui muito ligado a histórias de terror. Passei boa parte da minha vida não tendo contato algum com elas, incluindo aí livros e filmes. Por algum motivo que não sei precisar, todavia, senti há um tempinho uma inexplicável atração pelo gênero e comecei a consumir obras desse filão com bastante afã. Evidente que os anos de completo descaso me fizeram um perfeito ignorante para com o horror, e mesmo uma exposição intensiva não me dão bases críticas minimamente adequadas para avaliar com rigor uma obra desse gênero. Mesmo assim, um filme me chamou a atenção e, portanto, resolvi compartilhar minhas impressões nada especializadas nesse espaço.

Espíritos – A Morte está ao Seu Lado é um filme lançado em 2004 na distante Tailândia, dirigido por Banjong Pisanthanakun e Parkpoom Wongpoom. Até eu que sou neófito no gênero sei que a Ásia – em especial o Japão, talvez – é famosa pelos seus filmes de terror, então fui assistir a película esperançoso de que teria uma experiência marcante… e não me decepcionei!

Trailer

Um jantar com amigos, regado a muita bebida e na companhia da bela namorada. Um agradável momento no qual todos ali se divertiam, enquanto lembravam lá e cá histórias da época do colégio. Aparentemente uma noite auspiciosa… Todavia, voltando para casa, Tun (Ananda Everingham) e Jane (Natthaweeranuch Thongmee) acabam por atropelar uma moça. Desesperados, fogem da cena sem ao menos verificar se a menina estava viva ou morta. Embora livres de qualquer sanção legal, o incidente não deixa de atormentá-los e, por mais que aquilo os incomodasse, a vida tinha que seguir. Ambos, portanto, tentavam manter suas rotinas na faculdade e no trabalho, mas uma série de curiosos fenômenos começa a ocorrer: barulhos estranhos, luzes que se apagam sozinhas, sonhos terríveis, vultos inexplicáveis em fotos… Seriam aquilo meros reflexos psicológicos do trauma causado pelo acidente ou havia ali algo de sobrenatural? Talvez o espírito da menina atropelada quisesse vingança? É mais ou menos a partir dessas perguntas que o enredo vai se desenrolando. E se o argumento a princípio é demasiadamente simples, apenas um conceito para justificar uma série de sustos, ele vai se complexando a ponto de se tornar um dos pontos fortes do filme.

Mas talvez o mais espetacular do longa seja o clima. Poucas obras conseguem criar uma atmosfera de terror tão bem. Diversos elementos colaboram para tanto: jogo de câmeras, ambientação, luz, trilha sonora e, principalmente, a escolha da atriz que antagoniza com Tun e Jane. É claro que os sustos causados por barulhos altos e inesperados estão presentes, mas é esse clima que permeia toda a obra que vai lhe dar angústia e, vez ou outra, um calafrio. Um ótimo filme para ser assistido sozinho, com a luz apagada e no meio da madrugada.

P.S.: No Brasil foi lançado Espíritos 2, mas embora o título sugira ser uma sequência, não há nenhuma relação com esse filme aqui.

Nota: 8.0 (entenda a nota)

Ficha técnica:

  • Título original: ชัตเตอร์ กด ติด วิญญาณ
  • Título em inglês: Shutter
  • Ano de lançamento: 2004
  • Diretor: Banjong Pisanthanakun e Parkpoom Wongpoom
Anúncios